segunda-feira, 4 de março de 2013

Capítulo 25 - A Culpa é das Estelas

67 Comentários
Capítulo 25

Acordei na manhã seguinte em pânico porque tinha sonhado que estava sozinha, dentro de um lago enorme, sem um barco. Levantei no susto, puxando o BiPAP com força para a frente, e senti a mão da mamãe em mim.
— Oi, você está bem?
Meu coração estava disparado, mas fiz que sim com a cabeça. Mamãe falou:
— A Kaitlyn está ao telefone e quer falar com você.
Apontei para o BiPAP. Ela me ajudou a tirá-lo e me conectou ao Felipe. Só então peguei o celular da mão da mamãe e disse:
— Oi, Kaitlyn.
— Só liguei para saber como está tudo — ela disse. — Para ver como você está indo.
— Ah, obrigada. Estou indo bem.
— Você simplesmente teve um azar enorme, amada. Isso é tão desarrazoado!
— Talvez — falei.
Eu não pensava muito mais na minha sorte ou no meu azar. Na verdade, não queria falar com a Kaitlyn sobre nada, mas ela insistia em puxar assunto.
— E então, como foi? — ela perguntou.
— Como foi a morte do meu namorado? Humm, uma droga.
— Não — ela falou. — Estar apaixonada.
— Ah — falei. — Ah. Foi… foi legal passar um tempo com alguém tão interessante. Nós éramos muito diferentes, e discordávamos em muitas coisas, mas ele era sempre tão interessante, sabe?
— Ai de mim, não sei. Os garotos que eu conheço são extremamente desinteressantes.
— Ele não era perfeito nem nada. Ele não era um príncipe encantado de conto de fadas, e tal. Tentava ser assim às vezes, mas eu gostava mais dele quando essas coisas desapareciam.
— Você tem, tipo, um álbum com as fotos e as cartas que ele escreveu?
— Tenho algumas fotos, mas ele nunca chegou a me escrever nenhuma carta. Exceto, bem, há algumas páginas faltando no caderninho dele que podem ter sido algo para mim, mas acho que ele as jogou fora ou elas se perderam ou coisa assim.
— Talvez ele tenha mandado essas páginas pelo correio para você — ela disse.
— Não, elas já teriam sido entregues aqui.
— Então talvez não tenham sido escritas para você — ela falou. — Talvez… Quer dizer, não quero deixar você deprimida nem nada, mas talvez ele as tenha escrito para outra pessoa e colocado no correio…
— VAN HOUTEN! — gritei.
— Você está bem? Isso foi uma tosse?
— Kaitlyn, eu te amo. Você é um gênio. Tenho que ir agora.
Desliguei o telefone, rolei para o lado, peguei o laptop, apertei o botão de ligar e então escrevi um e-mail endereçado a Lidewij Vliegenthart.

Lidewij,
Acredito que o Augustus Waters tenha enviado algumas páginas do caderninho dele para o Peter Van Houten logo antes de ele (o Augustus) morrer. É muito importante para mim que alguém leia essas páginas. Eu quero lê-las, claro, mas talvez elas não tenham sido escritas para mim. De qualquer forma têm de ser lidas. Precisam ser lidas.
Você poderia me ajudar com isso?

Hazel Grace Lancaster

Ela respondeu no fim daquela tarde.

Querida Hazel,
Eu não sabia que o Augustus tinha morrido. Fiquei muito triste ao saber do acontecido. Ele era um jovem muito carismático. Sinto tanto. Estou tão triste. Não falei com o Peter desde que me demiti, naquele dia em que nos conhecemos. Está muito tarde aqui agora, mas irei até a casa dele amanhã cedo a fim de procurar essa carta e forçá-lo a lê-la. As manhãs costumavam ser a melhor hora para falar com ele. Sua amiga,
Lidewij Vliegenthart
PS: Levarei meu namorado comigo, para o caso de termos de conter o Peter fisicamente.
* * *

Fiquei me perguntando por que ele teria escrito para o Van Houten naqueles últimos dias em vez de para mim, dito que ele só seria absolvido se me desse a minha continuação. Talvez as páginas do caderninho só repetissem seu pedido ao Van Houten. Fazia sentido, o Gus usando sua terminalidade para realizar meu sonho: a continuação da história era um algo muito pequeno pelo qual morrer, mas foi o maior que restou à sua disposição. Atualizei meus e-mails sem parar aquela noite, dormi algumas horas, e então comecei a atualizar de novo lá pelas cinco da manhã. Mas não chegou nada.
Tentei ver TV para me distrair, mas minha cabeça ficava viajando de volta a Amsterdã, imaginando a Lidewij Vliegenthart e o namorado percorrendo a cidade de bicicleta numa louca missão à procura da última correspondência de um garoto morto. Como seria divertido ir sacudindo na traseira da bicicleta da Lidewij Vliegenthart pelas ruas de paralelepípedo, seu cabelo vermelho e ondulado sendo soprado em meu rosto, o cheiro dos canais e da fumaça dos cigarros, todas aquelas pessoas sentadas do lado de fora dos cafés bebendo cerveja, falando suas letras ‚R‛ e ‚G‛ de um jeito que eu jamais aprenderia…
Eu sentia falta do futuro. É claro que eu sabia, muito mesmo antes da recorrência dele, que nunca envelheceria ao lado do Augustus Waters. Mas ao pensar na Lidewij e em seu namorado, eu me senti roubada. Era muito provável que eu nunca mais fosse ver o oceano de uma altura de trinta mil pés de novo, uma distância tão grande que não dá nem para distinguir as ondas, nem nenhum barco, de um jeito que faz o oceano parecer um enorme e infinito monólito. Eu poderia imaginá-lo. Eu poderia me lembrar dele. Mas não poderia vê-lo de novo, e me ocorreu que a ambição voraz dos seres humanos nunca é saciada quando os sonhos são realizados, porque há sempre a sensação de que tudo poderia ter sido feito melhor e ser feito outra vez.
E mesmo se você conseguir chegar aos noventa anos, deve dar essa mesma sensação — embora eu inveje as pessoas que têm a oportunidade de comprovar isso. Mas, pensando bem, eu já tinha vivido o dobro do tempo que a filha do Van Houten. O que ele não teria dado para ter uma filha morta aos dezesseis anos…
De repente, a mamãe estava de pé entre mim e a TV, as mãos cruzadas nas costas.
— Hazel — ela disse.
Seu tom de voz era tão grave que achei que algo estava errado.
— Sim?
— Você sabe que dia é hoje?
— Não é meu aniversário, é?
Ela riu.
— Ainda não. Hoje é dia quatorze de julho, Hazel.
— É o seu aniversário?
— Não… — É o aniversário do Harry Houdini?
— Não…
— Cansei de tentar adivinhar, sério.
— É O DIA EM QUE SE COMEMORA A QUEDA DA BASTILHA!
Ela levou os braços à frente do corpo, revelando duas bandeirinhas de plástico da França e agitando-as entusiasticamente.
— Isso parece coisa inventada. Tipo o Dia da Consciência do Cólera.
— Garanto a você, Hazel: o dia da Queda da Bastilha não é uma invenção. Você sabia que há exatamente duzentos e vinte e três anos o povo da França invadiu a prisão da Bastilha para se armar e lutar por sua liberdade?
— Uau — falei. — Nós deveríamos mesmo comemorar esta data tão importante.
— Acontece que eu acabei de combinar com seu pai um piquenique no Holliday Park.
Ela nunca se cansava de tentar, a minha mãe. Empurrei o sofá com a mão e me levantei. Juntas reunimos alguns ingredientes para sanduíches e achamos uma cesta de piquenique empoeirada no armário do corredor.
* * *

O dia estava, tipo, lindo, finalmente verão de verdade em Indianápolis, quente e úmido — o tipo de clima que fazia você se lembrar, depois de um longo inverno, que ainda que o mundo não tivesse sido feito para os seres humanos, nós tínhamos sido feitos para o mundo. O papai estava esperando por nós, de terno bege, de pé na vaga para pessoas com deficiência, digitando em seu smartphone. Ele acenou para nós enquanto estacionávamos e depois me abraçou.
— Que dia! — ele disse. — Se morássemos na Califórnia, todos os dias seriam assim.
— É, mas aí você não daria valor a eles — minha mãe falou.
Ela estava errada, mas eu não a corrigi.
Acabamos colocando nossa toalha ao lado das Ruínas, o estranho retângulo de ruínas romanas plantado no meio de um campo em Indianápolis. Não são ruínas de verdade: são, tipo, uma recriação escultural de ruínas construída oitenta anos atrás, mas tinham sido tão malcuidadas que acabaram meio que virando ruínas de verdade por acidente. O Van Houten iria gostar das Ruínas. O Gus também.
Então nos sentamos à sombra das Ruínas e fizemos uma ‚boquinha‛.
— Você quer passar filtro solar? — a mamãe perguntou.
— Não, obrigada.
Dava para ouvir o vento balançando as folhas, e naquele vento viajavam os gritos das crianças no playground, a distância, descobrindo como continuar vivas, como percorrer um mundo que não foi feito para elas ao percorrer um playground que foi.
O papai me viu observando-as e perguntou:
— Você sente saudade de correr de um lado para outro desse jeito?
— Acho que sim, às vezes.
Mas não era nisso que eu estava pensando. Só estava tentando reparar em todos os detalhes: a luz nas Ruínas arruinadas, a criancinha que mal conseguia andar descobrindo um graveto no canto do playground, minha infatigável mãe ziguezagueando a mostarda no sanduíche de peru dela, meu pai dando batidinhas no smartphone no bolso e resistindo à tentação de dar uma espiada, um cara jogando um frisbee que seu cachorro ficava correndo para alcançar e depois levar de volta para ele.
Quem sou eu para dizer que essas coisas podem não durar para sempre? Quem é o Peter Van Houten para afirmar como verdade a conjectura de que nossa labuta é temporária? Tudo o que eu sei sobre o paraíso e tudo o que eu sei sobre a morte está naquele parque: um universo elegante em movimento constante, pululando com ruínas arruinadas e crianças estridentes. Meu pai começou a balançar a mão na frente do meu rosto.
— Sintonize, Hazel. Você está aí?
— Foi mal, é, o quê?
— A mamãe sugeriu que fôssemos ver o Gus.
— Ah. Tá — falei.
* * *

Então, depois do nosso almoço no parque, fomos de carro até o Cemitério Crown Hill, o último e derradeiro local de descanso de três vice-presidentes, de um presidente, e do Augustus Waters. Subimos a ladeira e
estacionamos. Os carros passavam atrás de nós na Rua 38. Foi fácil achar o túmulo do Gus: era o mais novo. A terra ainda estava amontoada. Nada de lápide por enquanto.
Não senti como se ele estivesse ali nem nada, mas, mesmo assim, peguei uma das bandeirinhas ridículas da mamãe e enfiei-a no chão, ao pé do túmulo. Talvez quem passasse por ali pensasse que o Gus tinha sido um integrante da legião estrangeira francesa ou algum mercenário heroico.
* * *

A Lidewij finalmente escreveu logo depois das seis da tarde, enquanto eu estava no sofá assistindo ao mesmo tempo à televisão e a alguns vídeos no meu laptop. Imediatamente pude ver que havia quatro arquivos anexados ao e-mail e quis abri-los primeiro, mas resisti à tentação e li a mensagem.

Querida Hazel,
O Peter estava muito bêbado quando chegamos à casa dele esta manhã, mas, de alguma forma, isso acabou tornando o nosso trabalho mais fácil. Bas (meu namorado) o distraiu enquanto eu vasculhava o saco de lixo no qual ele guarda as cartas dos fãs, mas aí eu me dei conta de que o Augustus sabia o endereço do Peter. Havia uma enorme pilha de cartas na mesa de jantar, onde logo encontrei a do Augustus. Abri o envelope e vi que estava endereçada ao Peter, por isso pedi a ele que a lesse.
Ele se recusou.
Fiquei com muita raiva naquela hora, Hazel, mas não gritei com o Peter. Em vez disso, falei que ele devia à filha morta a leitura da carta escrita por um garoto morto. Entreguei a carta ao Peter, ele leu tudo e disse — e aqui o cito fielmente, palavra por palavra: ‚Mande a carta para a menina e diga a ela que não tenho nada a acrescentar.‛
Eu não li a carta, embora meu olhar tenha capturado algumas frases enquanto escaneava as páginas. Eu as anexei a este e-mail e depois vou enviá-las pelo correio para a sua casa; seu endereço ainda é o mesmo?
Que Deus te abençoe e te guarde, Hazel.
Sua amiga,
Lidewij Vliegenthart

Cliquei e abri os quatro arquivos anexados. A letra dele estava confusa, inclinada, o tamanho variando, a cor da caneta mudando. Ele tinha escrito a carta durante vários dias, em graus de consciência variados.

Van Houten,
Sou uma pessoa boa, mas um escritor de merda. Você é uma pessoa de merda, mas um bom escritor. Nós formaríamos uma bela equipe. Não quero lhe pedir nenhum favor, mas, se tiver tempo — e pelo que vi, você tem tempo de sobra —, fiquei me perguntando se poderia escrever um elogio fúnebre para a Hazel. Tenho algumas anotações e tudo mais, mas se você pudesse transformá-las num texto completo e coerente, e tal… Ou então só me dizer o que eu deveria escrever de forma diferente.
O bom da Hazel é o seguinte: quase todo mundo é obcecado por deixar uma marca no mundo. Transmitir um legado. Sobreviver à morte. Todos queremos ser lembrados. Eu também.
É isso o que me incomoda mais, ser mais uma vítima esquecida na guerra milenar e inglória contra a doença.
Eu quero deixar uma marca.
Mas, Van Houten: as marcas que os seres humanos deixam são, com frequência, cicatrizes. Você constrói um shopping center medonho ou dá um golpe de Estado ou tenta se tornar um astro do rock e pensa: ‚Eles vão se lembrar de mim agora‛, mas: (a) eles não se lembram de você, e (b) tudo o que você deixa para trás são mais cicatrizes. Seu golpe de Estado se transforma numa ditadura. Seu shopping center acaba dando prejuízo.
(Tá, talvez eu não seja um escritor tão de merda assim. Mas não consigo organizar minhas ideias, Van Houten. Meus pensamentos são estrelas que eu não consigo arrumar em constelações.)
Nós somos como um bando de cães mijando em hidrantes. Nós envenenamos as águas subterrâneas com nosso mijo tóxico, marcando tudo
como MEU numa tentativa ridícula de sobreviver à morte. Eu não consigo parar de mijar em hidrantes. Sei que é tolice e inútil — epicamente inútil em meu estado atual —, mas sou um animal como qualquer outro.
A Hazel é diferente. Ela anda suavemente, meu velho. Ela anda suavemente sobre a Terra. A Hazel sabe qual é a verdade: é tão provável que nós consigamos ferir o universo quanto é provável que nós o ajudemos, e é improvável que façamos qualquer uma dessas duas coisas.
As pessoas vão dizer que é triste o fato de ela deixar uma cicatriz menor, que menos pessoas se lembrem dela, que ela tenha sido muito amada mas não por muita gente. Mas isso não é triste, Van Houten. É triunfante. É heroico. Não é esse o verdadeiro heroísmo? Como dizem os médicos: em primeiro lugar, não cause dano ou mal a alguém.
Os verdadeiros heróis, no fim das contas, não são as pessoas que realizam certas coisas; os verdadeiros heróis são as que REPARAM nas coisas. O cara que inventou a vacina contra varíola não inventou nada, na verdade. Ele só reparou que as pessoas que tinham varíola bovina não pegavam varíola.
Depois que a minha tomografia acendeu como uma árvore de natal, eu entrei furtivamente na UTI e vi a Hazel quando ainda estava inconsciente. Entrei andando atrás de uma enfermeira de crachá e consegui me sentar ao lado da Hazel por, tipo, uns dez minutos antes de ser pego. Eu realmente achei que ela fosse morrer antes que eu pudesse lhe contar que também ia morrer. Foi brutal: o arengar mecanizado incessante da terapia intensiva. Havia uma água cancerosa escura pingando do peito dela. Os olhos fechados. Entubada. Mas a mão dela ainda era a mão dela, ainda quente, as unhas pintadas de um azul-escuro quase preto, e eu simplesmente segurei sua mão e tentei imaginar o mundo sem nós, e por mais ou menos um segundo fui uma pessoa boa o suficiente para torcer que ela morresse e nunca ficasse sabendo que eu também ia morrer. Mas aí eu quis mais tempo para que pudéssemos nos apaixonar. Creio que meu desejo foi realizado. Eu deixei a minha cicatriz.
Um enfermeiro chegou e me disse que eu precisava me retirar, que visitas não eram permitidas, e eu perguntei se ela estava melhorando. O
cara disse: ‚Ela ainda está fazendo água.‛ Bênção do deserto, maldição do oceano.
O que mais? Ela é tão linda! Não me canso de olhar para ela. Não me preocupo se ela é mais inteligente que eu: sei que é. É engraçada sem nunca ser má. Eu a amo. Sou muito sortudo por amá-la, Van Houten. Não dá para escolher se você vai ou não vai se ferir neste mundo, meu velho, mas é possível escolher quem vai feri-lo. Eu aceito as minhas escolhas. Espero que a Hazel aceite as dela.

Eu aceito, Augustus.
Eu aceito.

67 comentários:

  1. Esse livro é muito Bom!
    Amei *-*

    ResponderExcluir
  2. HAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA PERFEITO!!! SEM PALAVRAS REALMENTE NAO TENHO PALAVRAS PARA DESCREVER ESSE LIVRO ELE MOSTRA COMO A DOR É NECESSARIA E DESCREVE A NOSSA PASSAGEM POR AQUI QUE DE UM CERTO MODO EU JA SABIA MAS SÓ AGORA PUDE REALMENTE VER QUE O QUE IMPORTA É O QUE SENTIMOS ENQUANTO ESTAMOS AQUI.

    ResponderExcluir
  3. Esse livro realmente me tocou, e me fez ser mais amável com meus pais meus irmãos.

    ResponderExcluir
  4. Faz tres dias que o terminei e ainda sofro por Hazel e Gus!!

    ResponderExcluir
  5. Acabei de Lê-lo, realmente nunca li um livro tão intenso e que passasse tão bem os sentimentos ao leitor.

    ResponderExcluir
  6. Esse livro é perfeito me emocionei bastante, chorei muitoo :'(

    ResponderExcluir
  7. Ótimoo livro ... Ameeeei... *-*

    ResponderExcluir
  8. Nossa que perfeição *-* acho que pela primeira vez consegui terminar de ler um livro e gostar do final, mas também quero lembrar que não sou uma pessoa que le muitos livros!

    ResponderExcluir
  9. Gostei do livro, mas achei que devia ter algo a mais no final da história.
    mesmo assim, um livro muito intenso!

    ResponderExcluir
  10. como não poderia deixar de ser, amei o livro, mas , concordo com um dos leitores, deveria ter algo a mais no final.

    ResponderExcluir
  11. Realmente não a palavras para descrever o que você sente no decorrer da leitura, é um livro tão intenso, tão rico em detalhes para demonstrar a dor a tristeza e até mesmo a alegria dos personagens que você se põem no lugar deles e começa a imaginar como seria se fosse você a personagem. Quem não gostaria de ter uma história de amor tão bonita quando a deles. É uma história triste,é claro, mas dizem que o amor compensa...

    ResponderExcluir
  12. O livro é ótimo, agora só me resta escrever uma centena de cartas ao John Green perguntando sobre a Hazel. O que acontece com ela, com os pais depois que ela se vai, sobre o Isaac, a família do Gus, coisas desse tipo. Rsrsrs.

    ResponderExcluir
  13. Eu tbm vou mandar cartas e cartas...só espero que ele não seja um alcoólatra, que responda as minhas perguntas e que eu não tenha que me deslocar do lugar onde vivo para falar com ele rsrsrs

    ResponderExcluir
  14. muitooo boom! tbm queria saber o que acontece com a Hazel e os demais personagens,mas mesmo assim amei o livro *---------*

    ResponderExcluir
  15. PER-FE-I-TO!!!! nunca chorei tanto lendo um livro, mas pa mim ele acabou como o UAI, faltando um final: quanto tempo mais ela viveu? ela se apaixonou de novo? a mãe delaa se formou? e o Isaac?
    enfim, o livro eh perfeito.

    ResponderExcluir
  16. não ah palavras para explicar tamanha perfeição essa historia faz com que nós prestamos mais atenção nos pequenos valores da vida nós faz refletir que talvez temos uma história perfeita mas não sabemos ate que ela chegue ao fim chorei mto lendo ele por saber que ah pessoas no mundo passando pela mesma situação.Senti muita dor no coração ao terminar de ler muito perfeito .........sem palavras por:Juliana

    ResponderExcluir
  17. Lindooo Mais o que acontece com a Hazel??? Fiquei curiosa...rsrs

    ResponderExcluir
  18. Ameei o livro, chorei demais no final dele, é uma bela historia, queria q o Gus não tivesse morrido, foi muito triste me surpreendeu.

    ResponderExcluir
  19. FOOOOI simplesmente o livro mais lindo que eu já li ... chorando litros aqui <3 . a morte mais linda qe já vi . gostaria ate de ter cancer só para viver uma historia assim.

    ResponderExcluir
  20. Tava na maior vontade de termina o livro pra ver qual seria o final, Agra q terminei queria mais... :'( #xatiada Livro perfeito, um dos melhores que ja li, Ja chorei varias vezes por esse livro (Foi o unico livro que me fez chorar de vdd) Mais por fim me toco mtt essa historia, aprendi ate amar + e tals *---* Amei

    ResponderExcluir
  21. Nossa que viagem! Esse livro é maravilhoso. Cada minuto passados na frente do computador valeram apena! Amei te-lo lido.

    ResponderExcluir
  22. Livro mais que perfeito.Amei este livro, desejo viver um lindo romance como o do Gus e da Hazel .

    ResponderExcluir
  23. Como descrever esse livro, que me fez chorar, torcer, imaginar, sorrir, refletir?
    Achei muito bom, realista e tocante. Uma história Incrível, com I maiúsculo.
    Gabriela.

    ResponderExcluir
  24. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  25. Eu adorei esse livro,fiquei triste guando o augustus morreu, foi uma historia emocionante. Amei o final do livro a carta do gus (perfeita), e acho que todos nos queremos deixar a nossa cicatriz, não que alguém sofra mais que fique uma lembrança interminável...

    ResponderExcluir
  26. com certeza um dos melhores livros que ja li, mas uma dúvida, o que acontece com a Hazel ? cm os pais, cm quantos anos ela morre? com o isaac, enfim, acho que o escritor quis nos deixar essa dúvida, igual a que a Hazel tinha sobre a historia da Anna, mas enfim, amei mesmo o livro, mt emocionante, até chorei, adorei msm *-*

    ResponderExcluir
  27. Sem palavras! Perfeitos2

    ResponderExcluir
  28. meu livro preferido ja li 4 vezes hsauhsauh , meu gus lindo *-*
    tou ansiosa pelo filme , amo dms .
    ACEDE <3

    ResponderExcluir
  29. Muito bom mesmo o livro, emocionante... Porém deixou a desejar no seu final

    ResponderExcluir
  30. Tem um olho na minha lágrima.

    ResponderExcluir
  31. Que lindo mais que perfeito um livro muito emocioanante o autor capitou perfeitamente os detalhes e que transmitiu pra quem tava lendo como se fosse real e muito lindo este livro chorei muito com os pequenos detalhes e principalmente com o amor deles! " a luz do sol nascente forte demais em seus olhos que perecem"

    ResponderExcluir
  32. esse livo é extremamente perfeito!
    o jeito em que ele é narrado é tão excepcional que com simples palavras conseguiu transmitir emoções para essa simples e durona leitora.

    *saiba Augustos, que você jamais será esquecido por mim, sempre me lembrarei de você, lembrarei do seu carisma, altruísmo, força de vontade, sua inteligência inigualável, mas o mais importante... o jeito em que você foi fiel e forte ate o seu ultimo suspiro.
    sinto muito pela sua morte :, (
    gostaria que você existisse de verdade, eu queria que você fosse o MEU Augustus Waters, queria que você fosse um ser humano e não um personagem Fictício de uma historia maravilhosa e extremamente inspiradora.
    queria ter você só para mim, uma pessoa que eu pudesse amar com a certeza de retorno de uma simples frase EU TE MO!

    Ps: Eu Te Amo Augustus Waters.

    De uma pessoa solitária para um cara que me encantou sem almenos existir.

    ResponderExcluir
  33. esse foi o livro mais emocionante que ja li,qe pena qe teve fim..posso ler esse livro mil vezes que vou me emocionar como da primeira vez

    ResponderExcluir
  34. Livro simplesmente perfeitoo *ooo* <3

    ResponderExcluir
  35. haha' também vou mandar várias cartas para o John Green fazer a continuação desse livro hehe' <33

    ResponderExcluir
  36. Amei o livro é muito bom nota 1000000000000000000...
    Mas so axei que poderia ter um final diferente mais detalhado ou sei la
    Tipo ficom me perguntando oque acontece com hanzel oke ela fais sei la .
    Mas mesmo assim o livvro nao perde sua beleza

    ResponderExcluir
  37. OMG.
    PERFEITO DEMAIS.
    "Eu aceito Augustos,
    Eu aceito"
    Sem palavras,o que vai ser de mim agr? estava apaixonada pelo livro,pelo gus e pela Hazel mas eu acabei :((((((((
    #Muito_brava_com_o_Jonh_Green_por_ter_matado_o_meu_gus :/

    ResponderExcluir
  38. Sem palavras....... Livro perfeito!

    ResponderExcluir
  39. "Não dá para escolher se você vai ou não se ferir neste mundo, meu velho, mas é possível escolher quem vai feri-lo. Eu aceito minhas escolhas... eu aceito, eu aceito." Tudo que eu precisava ler no final.

    ResponderExcluir
  40. Esse livro e estremamente lindo imagina si fossi uma,historia real nossa seria demais ainda sinto falta do gus eu não vou esquecer eles amei a hazel e o gus era perfeitos lutavam pela vida sofriam,porém nunca perderam o humor valeu a pena ler i relerei varias vezes issu mostra enquanto queremos acabar com.nossa vida,por muita das vezes tem.uns lutando por uma

    ResponderExcluir
  41. O.K gus e hazel, a historia acabou sempre vou ler assin como a hazel não cansava de ler o UAI ,Uma Aflição Imperial,eu não cansarei de ler a culpa e das estrelas,"talvez O.K seja,o nosso sempre"

    ResponderExcluir
  42. muitooo linddoooooooo nunca pensei que leria um livro tao bom assim... PERFEITO! *---*

    ResponderExcluir
  43. Não havia um outro final, para ser franca eu queria que terminasse assim... sem final para a personagem principal, da forma que havia sido o livro, na verdade o que levo desse livro foi o sentimento que passou para mim, foi a intencidade que houve e creio que foi o que o escritor quiz passar... irão estreiar o filme e na verdade não tenho nem coragem para assistir, sei lá, já imaginei eles a Hazel e o Augustos, não sei se vai ser melhor...

    ResponderExcluir
  44. Lindooooooo Perfeitoooooooooo demaisssssss.... Sem paalavras para descrever

    ResponderExcluir
  45. O que o Gus quis dizer no final que ele aceitou as escolhas dele? e que esperava que a Hazel tbm aceitasse as dela. =(

    ResponderExcluir
  46. eu fiquei como ela.... querendo saber o que aconteceu com a mãe da Anna....msm assim eu amei o livro (Fran Leal)

    ResponderExcluir
  47. Terminei... Não acredito que acabou; simplesmente adorei!
    Agradeço ao Blog por dar-me a oportunidade de ler o livro; Obrigado!!!

    ResponderExcluir
  48. Esse livro livro e realmente uma maravilha, nao acredito que acabou

    ResponderExcluir
  49. Este livro e perfeito. É como se de alguma forma quem lê vivesse os personagens, é tudo tão real. Apesar de acontecer coisas que não deviam ele é perfeito!!

    ResponderExcluir
  50. Comentário acima: "Este livro e perfeito..." Citado por Camila

    ResponderExcluir
  51. Esse livro foi perfeito,porque pelo menos no meu caso enquanto lia me sentia do mesmo que a Hazel,e esse livro me deu sentimentos que não sabia que poderia sentir.Foi emocionante a história desse belo casal,que pode até não ter ficado muito tempo juntos,mas foi o suficiente para eles saberem o que é amor.

    ResponderExcluir
  52. Também queria saber o que acontece com a Anna.
    Me deu vontade de escrever cartas para John Green querendo "um final " mais atentado, ao meu ponto saber como Hazel ficou, os pais, se ela morreu ou não, sobre Isaac e sobre os pais do Gus. Também gostaria de saber sobre a velha Kaithyn .
    Bom, mais é isso, foi simplesmente perfeito...

    ResponderExcluir
  53. Melhor livro que eu poderia ler ,melhor historia já contada,na minha opinião simplesmente PERFEITO ,chorei mais que tudo, parabéns ao
    John Green.

    ResponderExcluir
  54. O MELHOR LIVRO DE TODOS OS TEMPOS..... ACEDE Amooo sem mais....

    ResponderExcluir
  55. *o* QUE LIVRO É ESSE ??????????????? <3 Gus e Hazel <3

    ResponderExcluir
  56. Simplesmente um dos livros mais perfeitos q eu já li, fiquei a madrugada toda lendo até o fim e valeu mto a pena!!!

    ResponderExcluir
  57. Passei pela mesma situação de perda da Hazel há 3 anos e esse livro é simplesmente perfeito. Me ajudou a ter coragem de encarar as cicatrizes que ficaram e entender a falta que aibda existe em mim.

    ResponderExcluir
  58. Que livro lindo... quanta emoção... era tudo que eu precisava ler... entender o problema dos outros e me colocar no lugar delas, mesmo sendo tudo fictício... Hazel Grace me ensinou a ser forte e me ensinou que o amor verdadeiro nunca morre... Augustus Waters me mostrou que na vida é necessário saber escolher e seguir em frente, amando, cativando e fazendo as pessoas felizes... "EU ACEITO MINHAS ESCOLHAS, EU ACEITO..." Yanca Caroline-Osaco-SP.... O.K? ;)

    ResponderExcluir
  59. Parece tudo tão real

    ResponderExcluir
  60. Parece tudo tão real

    ResponderExcluir
  61. Muito bom sempre os escritores deixam a desejar.mas não por que suas histórias não são boas e sim porque terminam Porque nós queremos mudar as histórias dar um toque proprio e isso é maravilhoso pode é inspiração pra nós

    ResponderExcluir
  62. Muito bom sempre os escritores deixam a desejar.mas não por que suas histórias não são boas e sim porque terminam Porque nós queremos mudar as histórias dar um toque proprio e isso é maravilhoso pode é inspiração pra nós

    ResponderExcluir
  63. Não tenho como descrever esse Livro.

    ResponderExcluir
  64. Livro pfto amooo o livrro o filme a história....

    ResponderExcluir